Limite para quê?

Essa moça na foto com ar de quem sempre sabe onde vai é a Fernanda de Camargo-Moro, única arqueóloga de comida da Unesco. A foto é de 1970, mas até 4 anos atrás, na flor dos 74, ela rodava Oriente Médio e Ásia, sozinha, cruzando desertos e visitando quem não conhecia para entender, pela comida e a religião, as coisas que as pessoas não dizem, mas revelam tudo. Escrevi o texto abaixo sobre ela na última edição da revistae publico aqui porque adoro gente sem limites. E eu também preciso ir além…

Por Cristina Ramalho

Um tapa na cara. Assim que Fernanda abriu a porta do seu quarto de hotel no Cairo veio o bofete, dado por um policial egípcio. Ela esticou o olho e viu outro policial, as gavetas reviradas. Acabou amarrada numa cadeira, o vestido rasgado, presa no último andar do Sheraton. Sem saber, tinha cometido dois crimes:

1-      Ter entrado no Egito com livros de Israel na bagagem. Ela vinha de Israel, isso não aparecia no passaporte, e seguiria dali para Angola. Naquele ano de 1971, geografia e história andavam confusas, Egito e Israel tinham saído de uma guerra e já preparavam a próxima.

2-      Ter os cabelos e os olhos negros de uma terrorista famosa na época por aquelas bandas: a palestina Leila Khaled. Fernanda pensou nos quatro filhos que a esperavam no Rio e se pirulitou de volta para casa num avião que pegou em Chipre. Dali a pouco iria para outro ponto exótico do atlas.

Não há preguiça maior do que ouvir algum desses chatos que bastam ter alguma história nova para contar e já saem dizendo que sua vida daria um livro. Deviam antes dar uma espiada na vida de Fernanda de Camargo-Moro, única arqueóloga de comida da Unesco, museóloga, escritora. Um dia presa no Egito, no outro escavando em Israel, ou passando a tarde aprendendo receitas de família no interior da Índia, Fernanda viajou por todo o Oriente (“Do Extremo Oriente só não estive no Laos”), a América Central, conhece a Europa inteira, cruzou fronteiras árabes, hindus, afegãs, zonas de conflito, muitas vezes sozinha.

Repetiu famosas rotas históricas como a da seda, a do incenso, a das especiarias, tudo o que a gente só conhece… dos livros. Ela escreveu vários: sobre a Índia, a Turquia, Veneza, o Iêmen, todos com o foco na comida ou na religião para entender como as culturas se cruzaram. Aquilo que no vocabulário de hoje chamamos de globalização.

“Eu encontrava nas escavações vestígios de comida, mandava analisar, e ia estabelecendo as pontes. Quando fui mexer na Índia percebi que para entender o país eu precisava entender o que cada etnia comia, e que tranças eram feitas. Por exemplo, todo mundo pensa que o curry é descoberta indiana, o curry é uma dádiva que a Pérsia deu para a Índia. As pessoas hoje dão tanta importância para falar de globalização, mas os costumes sempre se misturaram”, diz Fernanda, que em cada livro mistura, saborosamente, fatos documentados, causos e, sempre, receitas, para o leitor captar na panela a química, a geografia e a alma de cada cultura. Sua última viagem exploradora foi em 2007, para Dubai, tema do mais recente livro, Mar de Pérolas, sobre as civilizações do Golfo, lançado em 2008 pela Ed. Record. Assim como escancara o sorriso para falar das relíquias pré-islâmicas, ela se acende toda ao descrever os shoppings e o aparato consumista árabe. “Ah, Nova York já era, Dubai é demais”. É capaz de enxergar beleza e valor em cada instante da história.

Lá no Golfo ela rodou por tudo e, com inveja dos pescadores, mergulhou de cilindro pela primeira vez na vida, na flor dos 74 anos, sentindo o corpo leve nas águas do estreito de Ormuz. De volta ao Rio, levou um tombo na Rua da Assembleia e se estropiou. Também passou há pouco por uma cirurgia no fígado – nunca bebeu nem fumou, mas adquiriu uma cirrose, talvez de tanto abusar dos ovos enterrados que comia na Tailândia. Agora, aos 78, Fernanda é obrigada a se segurar na poltrona da sala do seu apartamento na Gávea, onde deu esta entrevista. “Acho que depois que eu me separei do meu primeiro marido, esta é a primeira vez que passo tanto tempo em casa”, ela diz, gozadora.

Com os cabelos branquinhos presos em coque, o colar de pérolas, ela vai contando com voz doce um punhado de histórias de fazer o Indiana Jones tirar o chapéu. Fernanda nunca se deu tanta importância, então livro sobre sua vida, autobiografia, não fez, não. Teria de escrever vários volumes. Perdeu a conta de quantos países conheceu. É globalizada antes de nascer: em 1933 já estava em Paris, na barriga da mãe, enquanto o pai, o arquiteto Paulo de Camargo e Almeida (um dos fundadores da FAU-USP, e autor de um plano piloto para criação de Brasília com Vilanova Artigas), estudava na Sorbonne, frequentava a casa de Gertrude Stein e saía para tomar umas com o poeta Gabriele D’Annunzio.

Do pai que ela herdou a vocação para viver com o pé no avião. A psicanálise também explica. “Nunca perdoei a mamãe, que fez meu pai voltar de Paris, ela matou o sonho dele. E logo depois eles se separaram”, conta Fernanda. Não demoraria a planejar sua saída: aos 14 anos, ela viajou com as professoras e colegas do colégio para Florença, todas hospedadas num convento. No ano seguinte, convidada a acompanhar os tios para servir de intérprete numa viagem para a Holanda, Fernanda escreveu para as freiras em Florença e pediu para alugar um quarto ali. “Elas ficaram com pena de mim e não me cobraram”. Sobraram uns trocos para estudar história da arte e ir a Paris.

E havia também sua paixão pelo Oriente. Aos 3 aninhos ela andava pela casa abraçada a um disco quebrado da Tosca, fazendo cara de feliz a cada vez que ouvia o trecho da ópera com música árabe. Leu os livros de Malba Tahan, ouvia as histórias do avô viajado e da deslumbrante tia Alice (que inspiraria seu belo livro A Ponte das Turquesas, sobre Istambul), criou um mundo oriental dentro dela. Da Europa estava ali pertinho, só que a sua mãe entrou em cena e o exotismo teve de esperar. “Voltei e, não sei por que, acabei me casando aqui, e com um sujeito quadrado”.

Foi como voltar dez casas no jogo e cair no fosso do dragão: o marido, um economista tradicionalmente mineiro, não via lógica numa mulher com asas. O mais longe que ela chegou durante o casamento foi Buenos Aires – com ele junto, claro. Não podia durar. Nove anos e quatro filhos depois, lá vai Fernanda mais uma vez na direção contrária: era mulher desquitada, nos nem sempre dourados anos 60, e estava com a bagagem pronta para morar com a criançada na Toscana. A mãe a segurou de novo, alegando que a avó sofreria demais. Fernanda ficou, começou a dar aulas na universidade, mas como era formada em História pela PUC com especialização em arqueologia, logo arrumou os pauzinhos e conseguiu uma bolsa para Portugal. “Entrei para o corpo da Unesco. Ali, de uma certa forma, eu inventei essa arqueologia de comida”.

Começava, em 1970, o seu script errante. Jerusalém (“Um encantamento”), Tunísia, Egito, Trinidad e Tobago, Nepal, Japão, Índia (“Eu ia para a Índia duas vezes por ano, fui durante dez anos”). Na Jordânia escavava tão concentrada que nem ouviu os tiros. Só parou quando um amigo lhe gritou do outro lado do campo: “Fernanda, olha o bombardeio!”. Estava na China quando houve o massacre da Praça da Paz Celestial.

Quem a vê nas fotos, com um olhar de quem sempre sabe aonde vai, corpo mignon, um quê de heroína da Nouvelle Vague, não imagina aquela moça cavocando na terra com um bando de homens no sol do deserto, ou se encontrando com poderosos de vários governos, sem ouvir besteira. Bem, a cena à la Bond Girl que contamos lá na abertura do texto, diz ela, aconteceu só uma vez. Fernanda jura que nunca mais se viu numa situação de aperto, nem naqueles países que, daqui da terra dos rebolados, a gente ouve falar que as mulheres são trocadas por camelos. Ninguém a chamou para um narguilé “lá em casa” ou a mandou encarar um tanque de roupa.

“Acho que é porque sou aberta. Quando me convidaram para integrar o grupo do Projeto Himalaias, uma indiana me disse que fui escolhida porque nunca me converti a nenhuma religião, nunca tentei ser o que não era”.

Muito antes do discurso autossustentável que todo mundo hoje pronuncia de boca cheia, o Projeto Himalaias, de 1995, era um grupo multidisciplinar de cientistas que ensinava a preservar a natureza e os elementos culturais, e formava habitantes no Nepal para prolongar esse conhecimento. “Em Katmandu tínhamos o apoio do rei e da rainha, que pertenceu ao nosso conselho. Houve um golpe, mataram toda a família real, só sobrou uma tia que era meio estúpida, e uma parte dos nossos arquivos sumiu. Não dava para continuar”, ela conta. Criou, então, um projeto no deserto do Iêmen. “Mas tem uma coisa que destrói o mundo chamada americano. Eles quiseram logo se meter”. Dessa passagem pelo Iêmen ela descreveria a rota do incenso e os caminhos da Rainha de Sabbah, num dos seus livros mais bonitos: As Caravanas da Lua.

Mesmo saltitante, Fernanda continuou morando no Rio. Por aqui, teve cargos importantes, foi presidente do Conselho Municipal do Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro e da Fundação Estadual de Museus do Rio de Janeiro, mas o governo achava que ela dava piruetas demais para não ser comunista. Ainda por cima recebia cartas da Rússia, da Romênia… Abriram sua correspondência. Tiraram seus cargos. Cassaram Fernanda. A saída era o aeroporto, mas ela voltava sempre – tinha uma família a zelar. Os quatro filhos ficavam em casa com o telefone na mão, controlados um pouco à distância (“Ela sabia ser mãe: fazia chantagem”, brinca sua filha Andrea), um pouco pela avó e muito por um personagem essencial nessa história: o italiano Giovanni. Eram amigos desde que ela tinha 6 anos e ele, 9, casaram-se com outros, e em 1973 reencontraram-se. Ela o pediu em casamento. Ele não titubeou em morar com uma mulher que viajava a cada dois meses, quatro filhos que não eram os seus, e uma sogra no pacote.

Um romance com final feliz: quase quarenta anos depois do sim, continuam trocando olhares carinhosos aqui na sala de casa. Publicitário, ex-dono de uma livraria no Leblon que comprou do pessoal do Pasquim, o charmoso Giovanni, 81, é só elogios para ela (“É a mulher que se veste mais rápido do mundo, não se pinta, a vaidade dela é mais pelo orgulho do que ela já fez”). Entendeu que o melhor jeito de segurá-la era deixa-la ir. “Como ter ciúme, se a Unesco precisava dela, as pessoas a queriam, com que direito eu impediria Fernanda de ser quem é?” Fernanda emenda: ela é quem tinha ciúmes. “Podia estar em qualquer lugar que dava um jeito de telefonar para ele”.

Andrea, a filha, traz os cadernos de viagens com os lindos desenhos de Fernanda, registros que ela nunca mostrou nem nos livros. Giovanni insiste que ela deveria fazer uma autobiografia. “Ela está liberada até para contar os eventuais romances que possa ter tido, porque agora tudo é história”. Fernanda sorri – fala às vezes “quando eu viajar de novo”, ou “quero voltar para Istambul”, diz que chora de saudades dos netos (dois dos filhos de Fernanda moram em Paris há mais de vinte anos). “Fui a última vez para Paris em 2008, mas agora tô nessa poltrona, vou ver quando posso ir”. Giovanni observa sua mulher finalmente em casa e acena um sim, porque o mundo gira depressa e um pouco mais de amor só pode fazer bem.

 

 

Anúncios

17 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Katia Azevedo
    dez 23, 2011 @ 18:51:01

    delícia de texto, como sempre. Concordo totalmente… Quem tem mão não tem medo!!!

    beijo enorme minha querida

    Responder

  2. Andréa T. de Camargo - Noronha
    dez 30, 2011 @ 21:37:53

    Cristina muto lindo! Beijo grande Andréa

    Responder

  3. avantderniere
    dez 31, 2011 @ 03:19:54

    a história é incrível, mas seu texto me encantou. parabéns, vc tem o dom da simplicidade que a tudo ilustra. beijo e parabéns. e feliz ano novo, né? 🙂

    Responder

  4. Lourdes Novaes
    dez 31, 2011 @ 22:52:48

    sou amiga da Fernanda da vida inteira e gostaria de parabenizar você pela inteligência com que você construiu este lindo e agradável texto.Feliz Ano Novo!

    Responder

  5. Agnès Bazire
    jan 01, 2012 @ 18:15:53

    J’ai trop aimé, très beau commentaire sur Fernanda qui est un grand exemple pour moi ; je la reconnais totalement dans ce portrait, et en plus apprends encore plus sur elle.très beau cadeau de nouvel an.

    Responder

  6. Sônia Ferreira
    jan 05, 2012 @ 21:56:29

    Que pessoa fantástica!Amei conhecer sua estória.Linda postagem!

    Responder

  7. Beto Lofer
    jan 17, 2012 @ 11:40:21

    Maravilhoso… Uma mulher encantadora, uma vida que precisa ser conhecida, comentada.. Espero – muito – que uma biografia sobre a Fernanda seja escrita, tomara que brevemente. Parabéns pelo belo artigo, Cris.

    Responder

  8. Alexandre Muricy
    jan 18, 2012 @ 02:16:56

    Cris, fiquei apaixonado pelas duas: ela e você. Quando eu crescer quero escrever igualzinho você faz. Beijos e saudades. Parabéns.

    Responder

  9. Roberta portella vieira
    jan 18, 2012 @ 13:18:51

    Que maravilha de mulher!! Conheci Fernanda ao fazer a assessoria de imprensa para o encontro Triomus!!! Mas não sabia da missa a metade!!!!!!!!

    Responder

  10. Nuria Sampietro
    jan 30, 2012 @ 19:36:31

    Um exemplo du mulher. Fiquei encantada!!!

    Responder

  11. Cecilia Dionizio
    jul 22, 2015 @ 16:50:16

    Lindo texto mesmo, e invejável a vida desta jovem senhora. bj

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: